segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Deu merda no emissário da Enseada

Não é de hoje que o emissário submarino da Praia da Enseada em Ubatuba opera por meio de gambiarras. Faça uma visita e veja as marcas de cloro derramado nas paredes. Desde o ano de 2014 eu já faço denúncias neste blog: Leia aqui
Construído e implementado em 1985 pela Associação de moradores locais e repassado para a SABESP operar, a princípio ele supriu a demanda de esgoto local. Com o aumento exponencial de residências e prédios nessa praia nos últimos 15 anos, o emissário hoje não suporta mais a quantidade de esgoto gerada.
Para piorar esta situação, a manutenção durante estes 35 anos de operação resume-se a algumas pinturas, trocas de tampas de aço e milhares e milhares de litros de cloro puro despejados no mar.
Mangueiras comuns presas com arames hoje substituem a tubulação original e volta e meia escapam causando o derramamento de cloro puro diretamente na areia da praia e na passagem de pedestres podendo causar acidentes e queimaduras nos transeuntes.

Tem até uma playlist com vídeos de vazamentos do emissário: Assista aos vazamentos aqui


Vazamento registrado em 21 de dezembro de 2004, logo após a única grande reforma realizada.

Vazamento em 29 de dezembro de 2015. 11 anos somente de tinta.
Na verdade o emissário apenas "varre" pra debaixo d`água o esgoto junto com cerca de 200 litros de cloro por dia. (Não sei o que é pior para o ambiente o cloro ou a merda). Aí você pode pensar: -"Pelo menos o esgoto é despejado bem longe da praia"... Sabe de nada inocente!!! O esgoto é lançado a míseros 130 metros da linha da areia (foto ponto 1). Ou seja, qualquer ventinho sul, ou mesmo um dia de pouca correnteza, fazem com que a merda encalhe na área dos banhistas.

Nesta temporada de 2017-2018, também descobri mergulhando que o cano está furado bem perto da areia, a apenas 50 metros da praia apareceu um furo que lança o esgoto muito mais perto ainda e que dá pra ser visto de longe (foto ponto 2).

Também acredito que a SABESP tem conhecimento deste vazamento pois em 09 de janeiro último uma equipe de pesquisa apareceu logo cedo na praia e passou todo o dia a bordo de um enorme barco fazendo medições sobre a tubulação do emissário.
Não seria obrigação da empresa de saneamento alertar os banhistas e a CETESB sobre este vazamento tão perto da areia? Não caberia multa da CETESB sobre a SABESP por esta negligência?

Desenho técnico de especialista recomenda um mínimo de 300 metros de Zona de Proteção da influência do esgoto da "Pluma". Na Enseada tem apenas 130 metros dos Difusores, ou seja, nadamos dentro da Zona de Mistura (merda com cloro).

Equipe fazendo vistoria encomendada pela SABESP .


Uma solução seria aumentar em no mínimo 750 metros a tubulação em direção Oeste, para o centro da Enseada do Flamengo.
Outra solução seria terminar definitivamente o projeto da ETE do Perequê Mirim e desativar o emissário.
Mas o que importa para os acionistas da SABESP é mesmo o lucro, que aliás bate recordes todos os anos.

Notícias relacionadas:
http://oubatubano.blogspot.com.br/2011/02/sem-prazo-definido-sabesp-promete.html

https://marsemfim.com.br/litoral-de-sao-paulo-e-saneamento-basico-1/

Licitação / Contrato de serviço de limpeza subaquático 2017.