quinta-feira, 7 de agosto de 2014

FLUXO IMATERIAL DE BEM ESTAR

A pesca artesanal possui uma forte natureza lúdica (CASCUDO, 1954; CARDOSO, 2001) que se manifesta desde a mais tenra idade entre os meninos caiçaras.
Figura 2. Crianças e canoa caiçara. Foto: Paulo Nogara, Preservar é resistir.org.
Mal aprendem a andar a brincadeira preferida é arremedar os adultos na faina pesqueira, primeiro puxando para cima e para baixo pequenos barcos em miniatura e investigando os peixes dentro dos balaios, depois aventurando-se nas costeiras, capturando as “baratas da pedra” para servirem de isca, “pescando de jugada” de cima das pedras, assobiando para pegar o guaiá, até que passam ao mar remando em canoas e usando pedaços de redes velhas.

O conhecimento do ambiente, nesta perspectiva, é “(...) não de um tipo formal, autorizado, transmissível em contextos fora aqueles de sua aplicação prática. Pelo contrário, baseia-se no sentimento, que consiste nas habilidades, sensibilidades e orientações que se desenvolveram através da longa experiência de conduzir a vida em um ambiente particular” (Ingold, 2000). (DAVIDSON-HUNT e BERKES, 2003)

Desse modo, naturalmente, as crianças caiçaras através das brincadeiras vão aprendendo o passo-a-passo das artes de pesca, e quando chegam à idade adulta, profissão, modo de vida, trabalho e divertimento são aspectos indissociáveis de uma única atividade, que é a pesca artesanal. Isso, que Cechin (2008) chamou de “fluxo imaterial de bem estar”, é o que nos descreve o pescador caiçara Ronaldo, da Praia Mansa na Baía dos Castelhanos em Ilhabela, São Paulo:

“A gente nasce desde pequeno já cum... pequenininho do tamanho do... com cinco anos, a gente já tá no mar pescano com remo de duas pá, com canoa, e aí já vem, parece que entra na mente né aquilo, parece que domina a gente, é a pesca, é... a pesca é uma coisa... é, cê tem...  cê pensa... cê mata uns peixe te anima sabe, cê fica aquela... a mente da gente fica outra coisa, a mente da gente num fica aquela, sobrecarregada, a mente leve, tranquila”. (BERNARDO E BIANCHI, 2009, transcrição nossa)

Trecho do texto CONSIDERAÇÕES SOBRE OS ASPECTOS DE VALORAÇÃO ECONÔMICA DOS SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS ASSOCIADOS AO CONHECIMENTO TRADICIONAL DOS PESCADORES ARTESANAIS. autor Peter Santos Németh.

Um comentário:

  1. Para complementar e corroborar o texto acima: https://www.youtube.com/watch?v=iaIFLA1OGhw

    ResponderExcluir