quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

CANOA A VELA - ESPICHA, TRAQUETE OU MEZENA?

Esses dias, conversando com o meu amigo Mestre Rabequeiro, Mario Gato, um dos principais generais do comando da linha de frente da Resistência Caiçara, ao lado de Élvio Damásio, Julinho Mendes e José Ronaldo dos Santos, comentei com ele sobre o traquete novo que havia encomendado ao Seu Dito da Ilha Vitória, para a minha canoazinha de cedro, LUA.
foto: Peter S. Németh
Feito de algodãozinho foi entralhado com capricho segundo um modelo mental do próprio Seu Dito, que confeccionou o pano com "punho"e "bolso"; o mastro e a verga são de "chile" lá da Ilha mesmo, uma coisa linda.

Então comentei com o Mário Gato que tinha lido seu relato no livro Com Quantas Memórias se Faz uma Canoa sobre a vontade dele reconstruir um "traquete" ou "mezena" para navegar "a pano" como as vogas de antigamente, seguindo no "terralão"até a Ilha Grande.

No relato ele diz que tem anotada toda a descrição detalhada de como construir o pano, recitada para ele pelo Mestre David Alexandrino.
Foi então, nesta conversa em meio ao Fandango Caiçara que descobrí que este modelo de pano que ele tem é o de "vela de espicha" e não o "traquete" e a "mezena", mais comumente citados na região de Ubatuba, que são a "vela quadrada" e a "vela latina" respectivamente.

Curioso é que este tipo de pano é mais comum na Ilha de Santa Catarina, especificamente na Costa da Lagoa, onde belas e incrivelmente velozes competições acontecem entre os canoeiros locais. As corridas de canoa a vela da Costa da Lagoa são incentivadas pela amiga Jackie Goulart.

A vela de espicha permite orçar com mais facilidade o que proporciona uma navegação com maior independência da direção do vento, diferente do traquete que permite apenas navegar com vento "em popa", sendo necessário remar caso o vento mude de direção.
foto: Jackie Goulart

De espicha, traquete ou mezena, a verdade é que "correr pano" ou navegar numa canoa a vela ao sabor do vento e da imaginação é uma das sensações mais prazeirosas e libertadoras que existe. Pura vida, como neste vídeo maravilhoso do meu amigo Adriano Perna, na costa do Bonete - Ilhabela, onde a tripulação é constituída por três safos marinheiros de 5, 7 e 10 anos.

7 comentários:

  1. Obrigada pela menção ao nosso trabalho. Através da Associação de Canoa a Vela da Costa da Lagoa é que brincamos e aprendemos sobre essas encantadoras e bravas embarcações que são as nossas - de cá e de lá - canoas de um pau só. Grande abraço, parabéns pelo seu trabalho. Inestimável! Jackie Goulart

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado a você Jackie por ajudar a manter viva esta maravilhosa cultura do nosso litoral. Parabéns!

      Excluir
  2. http://jmbd1945.blogspot.com.br/2011/03/barcos-tradicionais-portugueses.html

    ResponderExcluir
  3. Senhores,
    Fico MUITO feliz por encontrar gente que vive e preserva NOSSA cultura náutica. Gostaria de ir até vocês, tempestivamente, para conhecer suas embarcações.
    Moro em Ribeirão Pires, e velejo; remo na represa Billings, apaixonado pelo que faço. Devorador de livros de Amyr Klink, já cheguei a sugerir a ele que se realize um trabalho de catalogação e descrição de nossos barcos.
    Bons ventos!
    Bravo Zulu pelo seu trabalho! Mantenhamos contato.
    Everton

    ResponderExcluir
  4. Bons ventos, bons caiçaras..._º/º/º/__)_

    ResponderExcluir
  5. gostaria de saber se existe um meio de fazer para que a canoa fique menos ligeira na agua pois ela vira muito facil

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Daniel, o que determina a "ligeireza" de uma canoa é o desenho do fundo externo do "casco". As canoas "malucas" ou "loucas" têm um tipo de fundo chamado "fundo de telha". Estruturalmente não é possível modificar o fundo, pois ele é determinado no momento da escavação. Qualquer solução vai descaracterizar sua canoa (seja colocando canos de pvc nos bordos, seja fazendo apoiadores como nas canoas havaianas). Quando for comprar sua próxima canoa fique atento ao tipo de fundo, quanto mais "chato", mais segura a canoa. Assista no minuto 16:30 desse vídeo a explicação do que eu comentei acima: https://www.youtube.com/watch?v=-n__J0_WsQ4&list=PLBpXFzQ1-RlPSRBYMf1PHm5ngYXwubEqk&index=3

      Excluir